segunda-feira, 11 de agosto de 2008

Conhecer e Amar

Amar, não é simples impulso, mero sentimento. Compromete personalidade. É verbo de muitas e variadas acepções, respeitar, compreender, perdoar, esperar, carregar, servir e sorrir ao mesmo tempo. Mais todas essas modalidades encontram a sua plenitude no Espírito de Jesus: “Ninguém tem maior amor do que aquele que dá a vida por seus amigos”. Quando pudermos dizer como ele na cruz: Tudo está consumado, tudo o que poderia ter dado eu dei até a ultima gota do meu sangue, então teremos esgotado o significado o verbo amar.
O amor exige um aprendizado, exige viver no dia a dia uma série de virtudes difíceis de praticar. O amor por isso não é movimento puramente natural, fruto espontâneo; tem que ser cultivado, exige elaboração, trabalho construtivo. O amor conjugal é uma conquista que deve ser renovada permanentemente, começada e recomeçada a cada dia. Montesquiel dizia: “é mais fácil conquistar do que preservar a conquista”. Que enorme diferença existe entre namorar alguém e compartilhar amorosa e sacrificadamente, no cotidiano, toda a sua existência. Na longa viagem da vida conjugal, que começa no namoro, você precisa levar a bagagem do amor. Você amará de verdade o seu ou a sua namorada não só porque ela é simpática e bonita, mais porque você quer o bem dela e que ajuda-la a ser ainda melhor. A primeira exigência do amor é aceitar o outro como ele é, com todas as suas qualidades e defeitos. O amor tem uma força misteriosa quando você ama o outro gratuitamente, sem cobrar nada em troca, você desperta-o para si mesmo, revela-o pra si mesmo, dá-lhe ânimo e vida, ressuscita-o, mas para amar é preciso conhecer, não se ama aquilo que não se conhece. É preciso conhecer a história e o coração da pessoa que hoje está ao seu lado.
Quem ela(e) é? Qual o seu passado? Quando você mergulha na história do outro, conhece seus dramas e os fatos que a determinaram, então você o compreende melhor e tem mais motivação para compreende-lo, tem mais paciência para ouvi-lo, perdoa-lo, e ajuda-lo. Aí está o segredo de um relacionamento profundo e que propicia um conhecimento interior adequado de ambas as partes. Aqui você percebe porque é importante que o relacionamento profundo e que propicia um conhecimento interior adequado de ambas as partes. Aqui você percebe porque é importante que o relacionamento seja maduro; pois cada um vai expor ao outro o coração, as suas reservas mais secretas. Quando conhecemos o interior de uma caverna vemos coisas belas, mas outras assustadoras. Há belos lagos escondidos, com águas cristalinas, e formações calcárias bonitas; mas a cantos escuros com morcegos e outros bichos.
Nem por isso a caverna deixa de ser atraente e rica. Da mesma forma a pessoa que está do nosso lado. No interior há belas passagens, mas pode haver recantos escuros. Saiba valorizar o que há de belo no interior das pessoas antes de deter-se aos seus pontos escuros. Saiba ver no outro primeiro o que ele tem de bom, e só depois encarar o se lado difícil. E cure com carinho as feridas que precisam ser tratadas. [...] Esse é o grande desafio pra nós, conhecer o outro, com sua história, com seu passado, com seus traumas e medos, mais também como o belo e com toda salvação que Deus fez em sua vida. Outro desafio é saber partilhar, sair de nossos medos e inseguranças, falar o que somos, o que e como pensamos, sem medo do outro, ou como ele vai reagir. Conhecer pois, é um presente que vamos levar para toda vida, sem devolução.

*Autor ignorado.

2 comentários:

Gui Vilanova disse...

Obrigado pelos parabéns.
Seu blog está bem legal. E o conteúdo bem moderno.

Deus abençõe,
tudo de bom!

Yeda disse...

Obrigada pelo comentário em meu blog!

Esse texto é realmente magnífico. A cada frase lida fiquei refletindo o quanto ele fala aquilo que é verdadeiro..

è preciso conhecer para amar e amar para conhecer


Parabéns!